Câmpus Murici recebe assembleia municipal do Sintietfal

O Sintietfal realizou nesta quarta-feira, 11 de maio, a assembleia municipal do câmpus Murici. Convocada pelos diretores sindicais do município, a assembleia trouxe uma caravana de membros da diretoria executiva do sindicato para debater direitos dos servidores e a luta sindical.

 

Direito às férias

 

O posicionamento político e jurídico do Sintietfal quanto o direito às férias dos técnicos administrativos foi um dos temas em destaque.

“Os TAEs têm 30 dias de férias, diferente dos 45 dias dos docentes. O direito de escolher suas férias em qualquer período do ano, inclusive de fracioná-las, está assegurado em lei. O sindicato manifesta defesa irrestrita à todos que buscam esse direito”, afirmou a diretora de assuntos jurídicos, Elizabete Patriota.

 

A representante do Sintietfal em Murici, a professora Elaine Lima, defendeu a manutenção das férias dos servidores técnicos-administrativos para qualquer período do ano letivo. “É um direito que os TAEs têm e que precisa ser respeitado”, disse a professora.

 

Futuro difícil 

A negativa de direitos consolidados, como o de férias, tem ocorrido por uma situação clara: a falta de servidores no câmpus. A ausência de mais profissionais para as funções administrativas tem criado um problema grande, a ponto de diretor negar férias e de a Reitoria querer retroceder direitos, aumentar a carga horária dos TAEs para 40 horas e impor o ponto eletrônico.

 

Como se não bastasse, o governo federal apresentou o PLP 257, o conhecido pacote antisserviço público, que pode congelar salários, proibir concursos para vagas em aberto, impor mais cortes no orçamento e até criar programa de desligamento voluntário.

 

Os diretores do Sintietfal apresentaram como agravante a situação do país, onde está em curso um golpe parlamentar-jurídico-midiático, querendo impor um governo ilegítimo que claramente vem para atender os interesses das elites e prejudicar ainda mais o serviço público.

“Esse é um golpe conduzido por um congresso corrupto que quer tirar ainda mais os direitos dos trabalhadores. Não nos resta alternativa senão ganhar as ruas contra os pacotes de maldades que estão sendo apresentados e que certamente virão descontar nas nossas costas a conta dessa crise”, afirmou Hugo Brandão, presidente do Sintietfal.

 

O professor Fabiano Duarte, diretor de formação política do sindicato, disse que o projeto de lei apresentado pelo Governo Federal é um retrocesso que prejudica ainda mais o funcionalismo público. Para ele, o Governo de Alagoas, ao negar negociação com os servidores estaduais e criminalizar a luta sindical, apoia-se em projetos nefastos como o PLP 257. “Esse projeto vai mexer na estrutura do serviço público e isso vai afetar diretamente a luta dos sindicatos e o nosso poder de negociação, dando força a ações absurdas como a que hoje tem atingido o Sindpol”, disse o sindicalista.

 

Próxima assembleia

 

A assembleia municipal realizada em Murici foi a segunda da rodada de visitas que o Sintietfal está fazendo em todos os câmpus do IFAL. A próxima está marcada para o dia 25 de maio no câmpus Maragogi. O calendário de junho será divulgado até o final do mês.

 

 

Erramos – Nesta notícia estava divulgada, equivocadamente, que a gestão do campus Murici se recusava a conceder o direito de férias aos servidores. Entretanto, destacamos que a gestão em questão não se recusou à conceder o direito de férias aos servidores. Mas, a marcar as férias em qualquer período do ano solicitado por eles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *