4 de dezembro de 2017

Nota de esclarecimento sobre desmarcação da Greve Nacional Contra A Reforma da Previdência

A diretoria do Sintiefal publicou na manhã desta segunda-feira, 04 de dezembro, uma nota de esclarecimento sobre a desmarcação da Greve Nacional Contra a Reforma da Previdência, convocada para o dia 05 de dezembro, pelas principais entidades sindicais do Brasil  (CUT, Força Sindical, CTB, UGT e Nova Central).

O documento afirma que a paralisação é uma reação necessária dos servidores enterrarem de vez essa reforma que acaba com a aposentadoria dos Brasileiros” No entendimento desta direção, o recuo da greve foi um grande erro político e uma irresponsabilidade cometida por aquelas centrais[…] Só a pressão das greves e mobilizações pode constranger um Congresso que, a rigor, age na base de propina e cargos” diz o documento.

Confira o texto na íntegra: 

O SINTIETFAL, coerente com sua posição política em defesa intransigente dos direitos dos trabalhadores e dos serviços públicos, desde a última sexta-feira (24/11), vem buscando construir na categoria a disposição militante para a construção da GREVE NACIONAL convocada naquele mesmo dia pelas centrais sindicais.

Mesmo diante de um prazo curto para agitação, o SINTIETFAL realizou AGE no dia 29/11 a qual aprovou a paralisação das atividades no dia 5/12. Além disso, tal como ocorreu na paralisação do dia 10/11, a disposição da categoria é de adesão à GREVE NACIONAL por entender a sua importância como instrumento de luta necessário para se vencer o governo corrupto de Temer/Meireles (PMDB/PSDB).

A direção do SINTIETFAL foi surpreendida na sexta-feira (1/12) com a notícia de que PARTE (CUT, CTB, FORÇA SINDICAL, UGT, NOVA CENTRAL) das centrais sindicais recuaram da GREVE NACIONAL do dia 5/12. No entendimento desta direção, o recuo da greve foi um grande erro político e uma irresponsabilidade cometida por aquelas centrais, posto que uma greve nacional forte na próxima terça-feira surtirá um efeito político relevante na pressão aos deputados federais.

Só a pressão das greves e mobilizações pode constranger um Congresso que, a rigor, age na base de propina e cargos.

Assim, o SINTIETFAL REPUDIA o adiamento e segue o chamado da CSP-Conlutas, do SINASEFE e do Fórum Alagoano Contra as Reformas em manter a mobilização contra esse governo corrupto e inimigo dos trabalhadores e dos serviços públicos. Neste sentido, conclama a que os servidores do IFAL, estudantes e familiares engrossem a grande mobilização contra a reforma da previdência na próxima terça-feira (5/12), a partir das 9 horas na Praça Sinimbu.

TODOS À PRAÇA SINIMBU!
NENHUM DIREITO A MENOS!

 

Maceió, 04 de dezembro 2017

Sintietfal – Sindicato dos Servidores Públicos Federais da Educação Básica e Profissional no Estado de Alagoas

 

 

4 de dezembro de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *