Sintietfal em combate ao fascismo e em defesa da democracia

As eleições presidenciais de 2018 ocorrem em condições atípicas, com um país fraturado social e politicamente. Ainda que esta fratura seja crônica na sociedade brasileira, dado o nível agudo de desigualdade social que marca o nosso país, nos últimos 4 anos ela se explicitou e se intensificou, dada a crise econômica e seus efeitos sociais nefastos e à crise política, que afetou todo o Brasil.

Diante dessas circunstâncias, despontou, durante o processo eleitoral, a figura sinistra do ex-capitão do Exército, Jair Bolsonaro. O tradicional eleitorado da direita liberal migrou para a extrema direita, que prega a total privatização do Estado brasileiro, a absoluta desregulamentação do mercado de trabalho e da economia e tem uma agenda social claramente fascista: criminalização de todo ativismo social (inclusive sindical), banalização da discriminação das minorias (mulheres, LGBT, negros, indígenas) e a pregação explícita da violência no dia a dia das relações sociais brasileiras.

Após o primeiro turno, resta agora aos eleitores o segundo turno que se dará entre o obscurantismo fascista e a candidatura de Fernando Haddad (PT). Independentemente da avaliação que seja feita dos governos petistas e do próprio Haddad, controvérsia importante de ser debatida e que pode ser feita sob diversos ângulos, entendemos que o que está em jogo agora é a vigência da democracia no Brasil. Trata-se de uma democracia restrita, blindada por interesses alheios às maiorias sociais, mas que, sem sombra de dúvidas, é indispensável para o convívio social em patamares minimamente civilizados. A proposta do candidato fascista dilacerará definitivamente a já fraturada sociedade brasileira, esmagando o conjunto de sujeitos que vivem uma opressão cotidiana em um país tão desigual.

Em defesa da democracia contra o fascismo, da razão contra o obscurantismo, o Sintietfal aponta o voto no candidato Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições, pautando, de forma incisiva, a manutenção e a expansão da Rede Federal de EPT, a revogação da contrarreforma do ensino médio e a defesa da educação pública, universal, gratuita, laica e de qualidade.

Maceió, 18 de outubro de 2018

 

Diretoria Executiva do Sintietfal – Gestão 2016/2019: “Avançar nas conquistas e na reconstrução sindical”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *