Manifestação leva 2 mil às ruas de Maceió e encerra 48 horas de luta em defesa da educação

Outras quatro cidades também registraram passeatas da Greve Nacional da Educação

 

Manifestação em Maceió. Foto: Ascom/Adufal

A luta em defesa da educação tomou às ruas de Maceió e de mais quatro cidade de Alagoas nesta quinta-feira, 3 de outubro. As manifestações encerraram as 48 horas da Greve Nacional da Educação que mobilizou o país contra os cortes no orçamento dos Institutos e Universidades Federais e contra o Future-se.

“A aula hoje foi nas ruas para demonstrar a disposição de luta dos/as servidores/as e dos/as estudantes em defender a Rede Federal e combater o projeto desse Governo de desmonte das IFEs e de precarização da educação pública para favorecimento à iniciativa privada”, afirmou Silvia Regina, vice-presidenta do Sintietfal.

Em Maceió, cerca de duas mil pessoas estiveram nas ruas da capital. O ato teve início na Praça Centenário e seguiu em passeata até a Praça Deodoro, exibindo cartazes e faixas de protesto contra o governo Bolsonaro e sua política ataques à educação e à soberania nacional.

A manifestação contou com a participação de movimentos estudantis e sindicais da capital e do interior, entre eles, servidores/as e estudantes do Ifal de Maceió, Marechal Deodoro, São Miguel dos Campos, Satuba, Benedito Bentes, Coruripe, Maragogi, Murici e Rio Largo.

“Estamos nas ruas para defender esse patrimônio que é a educação e exigir o fim dos cortes em nosso orçamento. As atividades de pesquisa e de extensão já estão extremamente prejudicadas. Várias bolsas de pesquisa e de extensão já foram cortadas e os laboratórios estão sem insumo. Isto é muito preocupante e nos faz protestar”, afirmou Gabriel Magalhães, diretor Sintietfal.

Em Arapiraca, o ato se concentrou na Praça Luiz Pereira Lima e percorreu as principais ruas da cidade. Servidores/as e estudantes do Ifal foram às ruas junto com os trabalhadores/as e estudantes da Ufal e rede estadual e municipal em adesão à Greve Nacional da Educação.

“Nós, como estudantes, estamos garantindo aqui o nosso direito de uma educação de qualidade, uma educação que o governo atual quer destruir. Não vamos descansar porque luto também é verbo”, afirmou a estudante Suellen Evelyn, representante do grêmio estudantil do câmpus Arapiraca. Assista o vídeo.

Na cidade de Penedo, servidores/as e estudantes do Ifal e da Ufal estiveram juntos nas praças e ruas da cidade defendendo a Rede Federal. A manifestação foi encerrada em frente Prefeitura e Câmara de Vereadores. “Hoje foi dia de sessão e conseguimos chegar a tempo de encontrar alguns vereadores que se comprometeram em pressionar os Deputados Federais para que esses defendam a Educação frente aos ataques promovidos pelo Governo Bolsonaro”, afirmou o diretor do Sintietfal, Pablo Pinheiro.

No sertão alagoano, o Ifal mais uma vez foi protagonista da luta em defesa da educação. Na cidade de Piranhas, às 8 horas, servidores/as e estudantes se concentraram em frente à Igreja Matriz São Francisco de Assis para manifestar repúdio aos cortes orçamentários e defende o Ifal no município.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Ato de rua em Piranhas, sertão alagoano. Que orgulho dos estudantes que lutam em defesa da Educação Pública. A consciência política é um processo que se constitui nas lutas e contradições diárias do cotidiano dos lugares. A consciência não é estática, pronta e acabada. É um processo histórico de constituição. Esses jovens que participaram estão dando um passo a frente na construção dessa consciência política crítica. Estão dando um passo a frente na construção da democracia. Parabéns para aqueles estudantes do IFAL, Campus Piranhas, que construíram esse ato. Parabéns pelo exemplo de luta e resistência em defesa da Educação Pública. A nossa esperança no futuro passa pela participação de vocês. Parabéns aos servidores que vieram e lutaram também. Ao desgoverno Bolsonaro nossa resistência e luta. Corte os privilégios do Congresso, do alto escalão dos militares e do judiciário, corte os lucros dos bancos, especialmente dos bancos privados. Tire a mão da Educação Pública e da nossa aposentadoria. Resistiremos e lutaremos sempre por nossos direitos duramente atacados por esse desgoverno corrupto e autoritário!!!!!

Uma publicação compartilhada por Claudemir Martins (@claudemir.martins.908) em


“Parabéns para aqueles estudantes do IFAL, Campus Piranhas, que construíram esse ato. Parabéns pelo exemplo de luta e resistência em defesa da Educação Pública. A nossa esperança no futuro passa pela participação de vocês. Parabéns aos servidores que vieram e lutaram também”, publicou o diretor do Sintietfal, Claudemir Martins, em suas redes sociais.

A comunidade acadêmica do Ifal fez história na cidade de Viçosa. Pela primeira vez, estudantes e servidores/as foram às ruas do município para defender a Rede Federal de Educação. A passeata marchou pelo centro da cidade e dialogou com a população local para demonstrar a importância do Ifal.

“Hoje, fizemos nossa primeira manifestação pública em Viçosa, a primeira da história de nosso Campus. Foi uma experiência maravilhosa. Depois de uma caminhada, ficamos na Praça do Cinema com nossos banners e com discursos proferidos por diversos professores/as e estudantes. Foi um importante dia de luta pra nós. O primeiro de todos os necessários”, afirmou a diretora do Sintietfal, Beatriz Medeiros.

Além dessas manifestações, o Sintietfal ainda esteve no Ifal Palmeira dos Índios dialogando com servidores/as e estudantes sobre a luta contra o Future-se e em defesa da Rede Federal.

Para o Sintietfal, a Greve Nacional da Educação deu um recado importante para o governo Bolsonaro, de que o Ifal resiste e luta.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Sintietfal (@sintietfal) em

“Encerramos, de forma muito vitoriosa, essas 48 horas de luta em defesa da educação. Realizamos muitos debates, plenárias, panfletagens para dialogar com o povo sobre a necessidade de barrar o projeto Future-se, que visa destruir o acesso dos filhos da classe trabalhadora a uma educação de qualidade. É possível e necessário reverter os cortes de recursos para a educação pública, que esse governo quer nos impor”, afirmou Yuri Buarque, diretor do Sintietfal.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *