Aposentados contribuem com o resgate da Memória do Sintietfal

O professor Nivaldo Macário e a assistente social Maria José, ambos aposentados, concederam entrevista ao projeto “Sintietfal: memória sindical e vida no trabalho” na última terça-feira, 5 de novembro, na sede do Sintietfal.

O projeto, coordenado pelo historiador Oswaldo Maciel, foi iniciado em 2018 e busca organizar acervos e construir a memória do sindicato através de entrevistas com personagens que fizeram parte dessa história.

Um dos entrevistados foi Nivaldo Macário, atualmente diretor de aposentados do Sintietfal. Ele lembrou que foi aluno da Escola Industrial, quando ainda funcionava na Sinimbu, se formou em 58, já no prédio da Barão de Atalaia, e ingressou como servidor da Escola Industrial Federal de Alagoas no dia 7 de outubro de 1960.

Macário foi um dos fundadores da Associação de Servidores da Escola Técnica Industrial e recordou o momento da assembleia de fundação da associação. “Tinha muita gente quando cheguei e meu número de sócio ficou o 22”.

Já a servidora Maria José foi da primeira turma de assistentes sociais de Alagoas e, quando formada, foi admitida com a primeira assistente social do Ifal, em 1961. Ela recorda que por sua ação pró ativa na Escola Técnica Federal foi chamada a ser uma das fundadoras da associação, ajudou a elaborar os estatutos e participou das primeiras diretorias da associação.

“Não era só professor, não era só técnico-administrativo, eram os servidores de modo geral da escola técnica e, por isso, o nome era Assetfal: Associação dos Servidores da Escola Técnica Federal de Alagoas”. “O objetivo principal era congregar os servidores da escola com atividades recreativas, culturais e de socialização”, relata a assistente social.

Terreno

Uma das memórias dos entrevistados foi a pretensão de construir um balneário para a categoria. Maria José lembrou que já nos primeiros de associação houve a compra de um terreno com tal finalidade.

“A gente queria ter um local para lazer e para estimular mais a convivência entre os funcionários, principalmente nos finais de semana”, recorda a aposentada.

Macário, já como diretor do Sintietfal, lembrou da luta, em 2014, contra a tentativa de venda ilegal do patrimônio da categoria e sua atuação na gestão 2016-2019 para a garantia de regularização do terreno localizado na Barra de Santo Antônio.

O projeto continua com as entrevistas, o servidor e a servidora que quiser contribuir com a memória do sindicato, é só entrar em contato com o Sintietfal ou diretamente com o responsável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *