Sinasefe deflagra Estado de Greve em defesa da educação e dos serviços públicos

Entidades Nacionais da Educação Federal lançaram manifesto e formaram comando unificado de mobilização e greve

A 162ª Plena do Sinasefe aprovou a construção de uma greve nacional da educação por tempo indeterminado em defesa da educação e dos serviços públicos. De acordo com a definição, o Sinasefe já se encontra em Estado de Greve e deve formar, junto com os/as docentes e TAEs das Universidades Federais, um comando de mobilização e greve.

A tarefa central do Comando Nacional de Mobilização e Greve é fortalecer a construção da greve da Educação Federal e ampliar o movimento paredista para todo o serviço público federal, com entidades do Fonasefe e do Fonacate. Será o Comando quem indicará a data do início da greve.

A plena do Sinasefe foi realizada nos dias 14 e 15 de março, em Brasília – DF, e contou com a presença de 103 participantes, sendo 61 delegados e 42 observadores, representando 37 seções sindicais. Pelo Sintietfal, estiveram presentes Ederson Matsumoto e Zilas Nogueira, como delegados, e Hugo Brandão, como observador.

“A Plena foi muito boa e propositiva, com um nível de debates muito bom. Desde o início, várias seções já levaram a posição de defender a aprovação de greve por tempo indeterminado, inclusive o nosso vizinho Pernambuco. Enquanto Sintietfal, levamos a posição de esperar o resultado da plena para fazer rodada de assembleias e discutir a construção da greve”, afirmou Ederson Matsumoto, o Japa, diretor de comunicação do Sintietfal.

O debate da plena girou em torno da melhor tática para a construção da greve por tempo indeterminado. O presidente licenciado do Sintietfal, Hugo Brandão, fez uma das defesas da deflagração do Estado de Greve.

Intervenção de Hugo Brandão (presidente licenciado do Sintietfal) na plena do Sinasefe, que definiu o Estado de Greve da categoria.

Posted by Sintietfal on Monday, March 16, 2020

 

“Eu estou cansado desse negócio de resistência. Eu não quero resistir mais, quero avançar para cima do Bolsonaro. Mas greve só com liderança sindical não dá. Eu vou para dentro da minha base propor à greve e tenho que escutar a base. A greve é a maior forma de enfrentamento que temos hoje para fazer a luta de classes. Eu concordo de ir para a greve, mas temos que ter estratégia. Em Estado de Greve, a gente começa a lançar matéria e pautar a mídia, começa a discutir e movimentar a base”, afirmou Brandão.

Para Zilas Nogueira, diretor do Sintietfal, a melhor tática nesse momento é trabalhar na mobilização da base e na unificação da greve com outras categorias. “Fazer a luta agora e agir contra esse governo e esses ataques não é apenas uma questão de consciência é uma questão de legítima defesa. Nós temos o direito e temos que fazer isso. A unidade vai nos fortalecer para enfrentar um governo fascista. Temos que procurar buscar essa unidade. Sozinhos, o que nos resta é enfrentar a repressão e um governo fascista”, disse o dirigente sindical.

Zilas Nogueira na 162° Plena do Sinasefe

162° PLENA DO SINASEFE | Fala do diretor Zilas Nogueira como delegado eleito do Sintietfal.

Posted by Sintietfal on Saturday, March 14, 2020

 

O Estado de Greve e o Comando Unificado foram aprovados com nenhum voto contrário e apenas duas abstenções. A participação do SINASEFE dentro do Comando Nacional Unificado de Mobilização e Greve, no período de Estado de Greve, será no formato dos plantões da Direção Nacional (DN) e de base (seções sindicais). A pauta prioritária do sindicato para futuro o movimento paredista será composta das reivindicações conjuntas do SINASEFE, Andes-SN e Fasubra e das 26 reivindicações da Carta da Reunião Ampliada da DN ao Conif.

O Sinasefe, o Andes-SN e a Fasubra Sindical estiveram reunidas durante todo o fim de semana em Brasília e, no domingo, realizaram uma plenária unificada para o lançamento do Comando Nacional Unificado de Mobilização e Greve. A atividade se tornou um ato de rua com a presença de docentes e TAEs de IFs e UFs de várias parte do país e foi finalizado com a leitura de um manifesto elaborado pelas entidades em defesa da Educação. Confira aqui o manifesto.

Construção da Greve | Plenária Unificada de SINASEFE, Andes-SN e Fasubra chama categorias para construção de uma greve nacional por tempo indeterminado.

Posted by Sinasefe Nacional on Sunday, March 15, 2020

 

Demais deliberações

A atividade ainda debateu sobre os encaminhamentos do 2º Seminário de Carreira do SINASEFE, que foi realizado entre os dias 7 e 9 de fevereiro de 2020, no campus Tijuca II do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro-RJ; sobre o 34º CONSINASEFE, que terá caráter eleitoral, foi adiado para a primeira quinzena de setembro de 2020 e até lá ficou prorrogada a atual gestão; e agenda do Sinasefe, que inclui a manutenção do 1º Encontro de Negras e Negros do sindicato, nos dias 20 e 21 de abril, no Rio de Janeiro-RJ, e o 11º Seminário Nacional de Educação (SNE) e o 14º Encontro Nacional de Assuntos de Aposentadoria e Seguridade Social (ENAASS), que ainda não têm data definidas.

Sobre o Coronavirus, o SINASEFE aprovou que, caso haja suspensão das aulas por motivos sanitários, a liberação do comparecimento aos locais de trabalho deve ser para todos os servidores: docentes, técnico-administrativos e terceirizados. Também ficou aprovado que o sindicato defenderá junto ao Conif que esse período não pode ser contabilizado como período de férias dos trabalhadores, mas sim como um período excepcional devido à pandemia do vírus – no qual, inclusive, os trabalhadores sequer podem planejar férias, visto a restrição para viagens.

 

 

Com informações e fotos do Sinasefe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *