1º de maio: Dia Internacional dos/as Trabalhadores/as será virtual e de luta

Solidariedade, saúde, emprego, renda e “Fora, Bolsonaro” são pautas unitárias das centrais sindicais

Diante da pandemia do Covid-19, este ano não haverá as tradicionais manifestações de rua no 1º de maio, Dia Internacional dos/as Trabalhadores/as. A calamidade de saúde pública no mundo exigiu das Centrais Sindicais a convocação de manifestações virtuais, que terá o tema “em defesa da democracia: um novo mundo é possível”.

Os mais de 5 mil mortos pelo novo coronavírus no Brasil, a crise política e econômica e os ataques aos direitos sociais tornam mais do que necessárias as mobilizações virtuais e panelaços da classe trabalhadora por saúde, emprego e renda. Ao mesmo tempo, unifica as centrais sindicais em torno da solidariedade de classe e da bandeira “Fora, Bolsonaro”.

Nacionalmente, o “1º de maio solidário” contará com ato político transmitido ao vivo, a partir das 11h30, pelas redes sociais. A live vai durar cerca de 4 horas e reunirá artistas, sindicalistas, religiosos e representantes de movimento populares e políticos.

+++ Dia Internacional do Trabalhador: 1º de maio de 2020 terá luta, mas também será solidário, digital e unitário

Em Alagoas, o movimento sindical e popular, reunido na última segunda-feira, 27 de maio, definiu transmitir uma mensagem aos/às trabalhadores/as alagoanos/as nas tvs locais, rádios e carro de som.

“Este ano o 1º de Maio será em casa. Mas a classe trabalhadora está em luta. Exigimos a paralisação imediata dos projetos de cortes de salários e direitos. É dever do governo proteger a renda e os empregos,  devolver os 20 bilhões retirados do SUS e pagar imediatamente o Auxílio emergencial. Seguimos  em defesa da Vida e da Democracia. Ditadura nunca mais”

A reunião contou com a participação do Sintietfal, Adufal, Frente Brasil Popular, Sindicato dos Urbanitários, SindiPetro, CUT, Sinteal, e Fórum em Defesa dos Direitos Sociais.

“Apesar de não podermos ir às ruas no 1º de maio, a luta não pode parar. Neste dia, mandaremos uma mensagem a todos os trabalhadores alagoanos que devemos lutar, mesmo sem sair de casa, contra o genocida governo Bolsonaro, pelo pagamento do auxílio emergencial e pela garantia de salários e empregos”, afirmou Gabriel Magalhães, tesoureiro do Sintietfal.

Solidariedade

Como este ano o primeiro de maio também será solidário, os sindicatos de Alagoas presentes na reunião definiram pela ampliação das ações de solidariedade e pontos de arrecadação em Maceió e no interior.

O site www.todomundo.org, lançado pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, surge com o objetivo de unificar campanhas, fortalecer o movimento de solidariedade e apontar uma plataforma de emergência. Alimentos, materiais de limpeza e de higiene, além de lonas e equipamentos de proteção, estão sendo solicitados por movimentos sociais.

O Sintietfal tem feito sua parte e já iniciou a doação dos R$ 40 mil aprovados pela direção sindical na reunião do início de abril.

 +++ Sintietfal decide doar R$ 40 mil para famílias carentes de Maceió e vítimas da enchente em Santana do Ipanema

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *