Assembleia Virtual: Servidores/as reafirmam posição contrária ao ensino remoto e cobram da reitoria audiência pública

De forma unânime, a Assembleia Geral Extraordinária do Sintietfal reafirmou posicionamento contrário ao ensino remoto no Ifal e cobrou que a reitoria convoque uma audiência pública sobre o tema na instituição.

A AGE aconteceu nesta quarta-feira, 19 de agosto, a partir das 15 horas, pela plataforma google meet, e foi aberta com a palestra “a experiência de ensino remoto em tempo de pandemia no IFCE”, ministrada professora doutora em educação, Madalena Silva.

“Assembleia aprofundou o debate com a categoria sobre o ensino remoto e demonstrou grande preocupação com a forma aparentemente apressada com que a reitoria do Ifal vem tentando implementar o ensino remoto a partir de setembro. Apontou também para a necessidade de um debate mais amplo do Ifal e com toda sua comunidade acadêmica, propondo a realização de uma audiência pública”, afirmou Yuri Buarque, secretário geral do Sintietfal.

Diante do calendário limitado, apresentado pela reitoria para o início do “Ensino Remoto Emergencial”, com um pouco mais de duas semanas para o início das atividades letivas, previstas para o dia 31, os/as presentes sugeriram a realização de uma audiência pública no dia 27 de agosto.

A assembleia definiu também que o representante do Sintietfal no Consup entregue à presidência do CONSUP a Nota Pública “Em Defesa de uma Educação pela Vida”, reforçando os questionamentos expressos no documento, e defenda a realização da audiência pública.

Caso a reitoria, ainda assim, não retire de pauta o ensino remoto e nem permita o aprofundamento da discussão a partir da audiência pública, a representação sindical no Consup deverá pedir vistas do processo, levando a minuta para o debate com a categoria na próxima assembleia do Sintietfal, já marcada para o dia 26 de agosto.

“Está público o posicionamento do Ifal e os nossos argumentos contrários ao ensino remoto. Queremos ter a oportunidade de debater com toda a comunidade em uma audiência pública convocada pela reitoria. Acreditamos que educação se faz a partir do diálogo e de amplos debates sobre política educacional”, disse Hugo Brandão, presidente do Sintiefal.

“Temos visto que a reitoria não tem dado ouvidos a essa reivindicação e quer recomeçar as atividades, de forma remota, no dia 31 de agosto. Por isso, caso não seja marcado esse debate com toda a comunidade acadêmica, vamos solicitar ao Consup vistas nesse ponto de pauta para garantir ao menos a nossa base a possibilidade de debater com detalhe a minuta e sugerir mudanças que atenuem os efeitos nocivos relacionados à adoção dessa modalidade de ensino”, completou o dirigente sindical.

164 ª Plena

A Assembleia Geral do Sintietfal também definiu a representação da entidade na 164ª Plena do Sinasefe, marcada para o dia 22 de agosto, de maneira virtual. A professora Fabiana Menezes e TAE Yuri Buarque, ambos diretores do Sintietfal, foram escolhidos/as como delegados/as de base e da direção sindical, respectivamente.

A Plenária do Sinsefe deve debater o ensino remoto e a prorrogação do mandato da atual diretoria. Devido a pandemia de Covi-19, ficou inviável a realização do Congresso Eleitoral (presencial). A prorrogação se faz necessária para não imobilizar os recursos financeiros do sindicato e das seções sindicais, advindos das contribuições dos sindicalizados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *