Unimed: Assembleia rejeita proposta de aumento anual por unanimidade

Os/as filiados/as do Sintietfal, reunidos em Assembleia Geral Extraordinária (AGE), na manhã desta quarta-feira (31), rejeitaram o reajuste de 8,4% proposto pela Unimed para 2021. Diante do congelamento salarial e do aumento do custo de vida, a categoria se colocou contra qualquer aumento e decidiu solicitar à Unimed abertura de mesa de negociação.

Uma comissão para acompanhar as negociações entre o sindicato e a Unimed, com participação da base, também foi aprovada. Inicialmente, a comissão está composta pelo presidente do Sintietfal, Hugo Brandão, pelo secretário-geral, Yuri Buarque, e pela filiada, Joana D´Arc. Outros/as filiados/as também podem requerer ao sindicato participação.

Para Joana D’Arc Padilha, servidora lotada na Reitoria, a classe trabalhadora vem atravessando um longo período de incerteza e aperto salarial. Não considerar esse peso na balança ao aumentar o plano de saúde se torna cruel.

“Isso é um absurdo. Entrei em contato com a Unimed/G2C para negociar uma alternativa para minha família não ficar sem a cobertura do plano, porém fui tratada apenas como mais um número. Eles foram desumanos, não tiveram nenhum apreço com os anos que passei no plano”, relatou.

O reajuste anual é previsto em contrato com a Unimed. Em janeiro deste ano, após ter o aumento de 2020 suspenso por quatro meses, por determinação da Agência Nacional de Saúde (ANS), os servidores/as amargaram os boletos com valores superiores a 18%. Esse reajuste refere-se ao aumento imposto pela Unimed de 13,7% e mais a parcela da recomposição do período suspenso (4,56%).

Por considerar abusivo o aumento de 2020, determinado unilateralmente pela Unimed Maceió, o Sintietfal ingressou com a ação na justiça. No entanto, o processo de nº 0716016-56.2020.8.02.0001 ainda não foi à julgamento na 4ª Vara Cível da Capital.

Para o presidente do Sintietfal, Hugo Brandão, é dever do sindicato lutar junto à categoria contra mais esse aumento. “Diante do congelamento salarial que vivemos no serviço público, esse aumento proposto pela Unimed, mesmo menor do que em anos anteriores, é muito para a nossa categoria. Já estamos pagando o abusivo valor imposto pela Unimed em 2020, é insustentável ter que arcar com novos aumentos. Vamos à luta até o fim”, disse o sindicalista.

Ataque Fascista

Logo no início, a Assembleia foi alvo de ataque e tentativa de intimidação por parte de milícia virtual autodenominada “Palhaços Loko” e “Cafajestes de Paris”. Seus integrantes, utilizando os nomes de usuário “Ana Ss”, “Lurdes L”, “Richard Guerra”, dentre outros, invadiram a reunião e propagaram mensagens de ódio, abrindo o microfone e proferindo ofensas em áudio, bem como postando comentários de teor ameaçador no chat da sala.

Mesmo após tentativas de expulsar os criminosos e dar início a assembleia, estes retornavam, utilizando outros nomes de usuário. Diante disso, a AGE aprovou unanimemente o fechamento da sala virtual e a abertura de outra sala.

+++ Assembleia Geral Extraordinária Virtual do Sintetfal sofre ataque de grupo fascista 

A categoria classificou a ação como um ataque de caráter fascista e repudiou veementemente o episódio. Para a vice-presidente do Sintietfal, Elaine Lima, a ação justamente no dia 31 de março revela a importância do combate à ideologia do ódio, que hoje comanda o país.

“Essa não foi a primeira vez que vi uma sala virtual sendo invadida por fascistas para atrapalharem uma reunião. Nas aulas do doutorado, na Universidade Federal de Sergipe, presenciei ataques semelhantes. O objetivo é sempre o mesmo: atrapalhar ou impedir o funcionamento de reuniões do movimento sindical, social e político ou até mesmo de simples aulas que defendam a vida e a democracia. É importante nos mantermos sempre vigilantes e rechaçar essa ideologia propagadora de ódio, principalmente no momento que estamos vivendo e também por ser o dia do golpe militar”, afirmou a dirigente sindical.

Um Comentário em “Unimed: Assembleia rejeita proposta de aumento anual por unanimidade

Sérgio Tavares Pereira
8 de abril de 2021 em 18:36

O sindicato adotou alguma medida contra os ataques dos facistas?
Em relação aos reajustes do plano de saúde estou de acordo com Joana. Temos que combater esses reajustes abusivos por parte da administradora do plano.

Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *