Servidores/as do Ifal vão às ruas conta Bolsonaro e os cortes na educação

Sintietfal reivindica o direito à vacinação, à educação pública e à vida

 

Mais de 5 mil ocuparam a Fernandes Lima em Maceió. Foto: Samuel Soares

No último sábado, 29 de Maio, os/as servidores/as do Ifal foram às ruas junto aos movimentos sindicais, estudantis, sociais e partidos de esquerda contra Bolsonaro, em defesa da educação pública e pela vacinação em massa.

Em Maceió, 5 mil pessoas estiveram presentes na manifestação, que ocupou vários quarteirões da Fernandes Lima. Em Arapiraca, 300 pessoas marcharam pelas ruas do Centro. E, no sertão, houve ato simbólico em Delmiro Gouveia, com lideranças segurando faixas contra o governo e em defesa da vida.

“O povo está nas ruas, neste 29 de maio, porque não aguenta mais. Bolsonaro é pior que o vírus da Covid-19. O povo brasileiro está padecendo de Covid, de fome, de bala, de desemprego, ninguém aguenta mais essa situação. Por isso, o Sintietfal está na luta em defesa da vida, em defesa do povo Brasileiro. Hoje é o início do fim do governo Bolsonaro!”, afirmou o dirigente sindical, Yuri Buarque.

A segurança sanitária foi prioridade durante a manifestação. Houve o distanciamento entre as pessoas e todos/as estavam com máscara. O Sintietfal doou 100 máscaras PFF2 e álcool em gel. Ao longo do ato, pessoas do sindicato passavam com um borrifador higienizando as mãos dos/das presentes.

Entre as bandeiras do ato, estava o direito à vida, à vacinação em massa, à renda básica, à educação pública de qualidade, sem cortes e sucateamentos.

Os/as manifestantes também estiveram em luto na manifestação, por todas as vidas perdidas devido à Covid, inclusive do Ifal. “Nós, servidores e servidoras do Instituto Federal, declaramos luto às mais de 450 mil vidas perdidas no Brasil, e dentre elas, os/as servidores/as e alunos/as do Ifal que também foram levados pela Covid, devido ao descaso que o presidente tem com a saúde pública e com toda a população”, disse Ana Lady, Diretora do Sintietfal.

 

Campanha em defesa do Ifal

O Sintietfal priorizou em sua participação no ato a campanha em defesa educação pública, visto que o último corte, está pondo em risco o funcionamento do Instituto.

Ao longo do percurso, iniciado na praça dos Martírios e concluído no Cepa, foram colados 1000 adesivos de carro e os/as sindicalizados/as receberam 50 camisas. Em todo o trajeto, o carro de som levava uma grande faixa em defesa do Ifal e contra Bolsonaro.

“O Sintietfal esteve nas ruas hoje, junto a todos/as trabalhadores/as e a juventude, dizendo ‘Fora Bolsonaro Genocida’. Nós lutaremos em defesa da educação pública, do SUS e das nossas vidas! O sindicato se fez presente, como sempre nas lutas”, afirmou o presidente do Sindicato, Hugo Brandão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *