Assembleias Municipais definem boicote ao Ponto Eletrônico

Servidores votando à favor do boicote ao ponto eletrônico, mecanismo imposto pela Reitoria

Os servidores dos câmpus Palmeira dos Índios, Santana do Ipanema e Maragogi, em Assembleias Municipais nesta quarta-feira (20), decidiram engrossar o boicote ao ponto eletrônico, mecanismo imposto pela Reitoria.

A definição dos servidores desses câmpus do IFAL faz parte da deliberação já aprovada pela categoria, no dia 10 de março, durante a Assembleia Geral, realizada na sede do Sintietfal. Na ocasião, ficou decidido que a categoria realizaria uma rodada de assembleias municipais do dia 13 ao dia 30 de março e aprovar, em cada uma delas, o boicote unificado ao atual mecanismo de controle no dia 31 e definir, em assembleias geral no mesmo dia, os próximos passos dessa luta.

Os servidores determinaram ainda a preparação de dossiês apontando os problemas locais relacionados ao ponto eletrônico ou questões do mecanismo que entrem em choque com a atividade dos servidores.

De acordo o presidente do Sintietfal, Hugo Brandão, o número de câmpus que vêm aderindo o movimento de boicote ao PE é uma resposta aos ataques da Reitoria.

“Eles precisam entender que esse mecanismo de controle é ineficiente e não iremos aceitá-lo. Não somos contra a fiscalização, queremos que os maus servidores sejam punidos e que quem não trabalhe, trabalhe. Entretanto, o ponto eletrônico não representa essa melhoria”, afirmou.

Ainda segundo Hugo Brandão, a pauta do Ponto Eletrônico se torna secundário perto dos ataques do governo ilegítimo de Michel Temer. “Deveríamos estar nos preocupando com a Reforma da Previdência, Reforma Trabalhista, Terceirização, modificação no plano de carreira dos TAEs e não discutindo algo que já sabemos a ineficiência, mas a Reitoria não oferece outra alternativa”, ressaltou.

Os servidores dos câmpus de Santana do Ipanema e Maragogi aderiram a Paralisação Nacional contra a Reforma da Previdência e as terceirizações, que acontece em todo o Brasil no dia 31 de março.

Santana do Ipanema

Em Santana do Ipanema, os servidores aprovaram o boicote por 20 votos a favor e um contrário

A Assembleia Municipal de Santana do Ipanema decidiu, por 20 votos a favor, um contrário e duas abstenções, a adesão dos servidores ao boicote do Ponto Eletrônico já a partir desta sexta-feira (31). Foi aprovado também a adesão à paralisação nacional contra a Reforma da Previdência e a Terceirização, marcada para amanhã.

 

Além disso, todos presentes aprovaram a construção de um calendário de lutas para o próximo período.

Durante o encontro, Flávio Veiga, diretor de Políticas Educacionais do Sintietfal, chamou atenção dos presentes para a participação nos atos contra a usurpação dos direitos de cada trabalhador.

“Se faz necessário nesse cenário de um governo voltado para o liberalismo econômico, onde as políticas sociais estão em risco, termos um engajamento maior. Devemos cair em campo e defendermos uma educação pública de qualidade. Ou acordamos agora ou iremos sofrer pelas próximas décadas”, disse.

Maragogi

Além de boicotar o PE, servidores decidiram paralisar suas atividades no próximo dia 31 contra a Reforma da Previdência

Após realizarem uma discussão sobre a conjuntura do país e a luta contra o pacote de medidas golpista de Michel Temer, os docentes e TAEs de Maragogi decidiram, por 20 favoráveis e uma abstenção, não mais registrar o ponto eletronicamente a partir desta sexta-feira (31).

Os servidores também vão paralisar o câmpus no dia 31 contra a Reforma da Previdência. Dessa vez, foram 17 votos a favor, 2 contras e uma abstenção.

De acordo Gabriel Magalhães, tesoureiro do Sintietfal que esteve presente na assembleia junto com o secretário-geral, Carlos Magalhães, a decisão confirma a insatisfação dos servidores. “Em Maragogi, o clima é de participação. Todos estão com muita vontade e ímpeto de participar das manifestações do dia 31, com muita preocupação com a terceirização e Reforma da Previdência”, destacou.

Palmeira dos Índios

Servidores destacaram a incompatibilidade do ponto eletrônico com a atividade docente e dos TAEs

Em Palmeira dos Índios, os servidores deliberaram pela adesão ao boicote do Ponto Eletrônico, imposto pela Reitoria, a partir desta sexta-feira (31). Em suas falas, eles destacaram a incompatibilidade do ponto eletrônico com a atividade docente e com as limitações materiais dos câmpus. A assembleia aconteceu às10h15 da manhã, na sala dos professores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *