Por que paralisar dia 28 de fevereiro?

Após fechar acordo salarial emergencial de 9% em 2023, o Sinasefe iniciou sua campanha salarial 2024 no dia 17 de maio, reivindicando recomposição salarial, reestruturação das carreiras e equiparação dos benefícios, além da revogação das medidas contrárias aos/às servidores/as públicos/as dos governos anteriores.

Ao decorrer de 2023, durante as reuniões de Mesa Nacional de Negociação Permanente, não houve avanços, sequer da revogação de medidas prejudiciais aos/às servidores/as públicos/as que não possuem impactos no orçamento.

Apenas em dezembro, o governo apresentou sua proposta de zero por cento de reajuste salarial e modificação dos valores dos benefícios: Auxílio-alimentação, passando de R$ 658 para R$ 1000; auxílio-creche, passando de R$ 321 para 484,90; e auxílio-saúde, passando de R$ 144 para R$ 215. A proposta do governo deixa de fora os/as aposentados/as e pensionistas, que teriam ganho financeiro de menos de R$ 70.

O Sinasefe reduziu sua proposta de reajuste salarial e colocou como prioridade a reestruturação das carreiras, já que os/as Técnicos/as Administrativos/as em Educação são o segmento mais desvalorizado do serviço público federal. Entretanto, contrariamente às expectativas dos/as servidores/as, o Governo Federal – que já atendeu outras categorias – na Mesa Setorial Temporária ignorou a proposta de reestruturação das carreiras e reapresentou apenas sua proposta de reajuste zero em 2024.

No dia 28 de fevereiro, será um novo dia de negociação com o governo e os sindicatos estão se mobilizando para uma grande Dia Nacional de Paralisação em defesa do funcionalismo público federal.

Participe! Confira abaixo alguns motivos para paralisar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *