Em Assembleia, servidores/as do Ifal aprovam construção da greve do Sinasefe

Sindicato Nacional deve definir data do início da greve em Plenária Nacional neste fim de semana

Em defesa do reajuste salarial, da reestruturação das carreiras, da recomposição orçamentária e do retorno das aposentadorias e pensões para o Ifal, a Assembleia Geral Extraordinária do Sintietfal referendou a construção de uma greve do Sinasefe.

A Assembleia foi realizada nesta terça-feira, dia 12 de março, e contou com a participação de mais de 80 servidores/as simultaneamente, de forma presencial nos campi Maceió e Coruripe e via googlemeet.

De acordo com o que foi aprovado, os/as delegados/as do Sintietfal, na 187ª Plenária Nacional do Sinasefe, devem defender o início da greve dos Institutos Federais a partir do dia 1º de abril. Até lá, serão realizadas paralisações nacionais e assembleias de base para adesão ao indicativo de greve.

“Não aceitaremos reajuste zero em 2024. Queremos garantir a reposição inflacionária, a reestruturação das carreiras e a inclusão dos/as aposentados/as na proposta de aumento de benefícios. Por isso, vamos construir essa greve em defesa dos nossos direitos e fazer o governo nos escutar”, disse Yuri Buarque, presidente do Sintietfal.

O objetivo do movimento é pressionar o governo Lula para garantir a valorização dos/as servidores/as públicos/as, tanto da ativa quanto dos/as aposentados/as e pensionistas – que estão excluídos/as da proposta de reajuste no auxílio-alimentação e na assistência pré-escolar.

Entre as atividades preparatórias para a greve, os/as presentes na AGE definiram que sejam realizadas ações junto aos discentes e à comunidade externa, tratando do tema orçamentário do Ifal e da educação em geral.

Aposentados/as e pensionistas

A Assembleia Geral também debateu a luta pelo retorno das aposentadorias e pensões para o Ifal. Esta pauta faz parte também da campanha salarial do Fórum de Entidades Nacionais dos/as Servidores/as Públicos/as, no ponto da revogação das medidas antisserviços públicos, na qual está incluído o Decreto nº 10.620 de 2021.

“Nós fomos expulsos do Ifal. Até hoje não conseguimos entender como quem dedicou 30 anos de sua vida, pôde ser jogado dessa forma no INSS. Portanto, queria dizer para os/as servidores/as da ativa e que vão se aposentar um dia: ‘Essa luta não pode ser só de aposentados. Tem que ser de vocês também, de todos nós’”, afirmou Ivanilda Verçosa, diretora do Sintietfal, criticando a gestão do reitor Carlos Guedes por ter sido uma dos únicos do Brasil a executar os desmandos do governo Bolsonaro.

Diante disso, a Assembleia também aprovou recolher assinaturas dos demais sindicatos e do Sinasefe em apoio ao retorno das aposentadorias e pensões do Ifal, além de pressionar o escritório do Ministério da Gestão e Inovação em serviços públicos em Alagoas e cobrar apoio dos demais parlamentares alagoanos.

“Nós não podemos deixar essa luta como uma luta somente dos aposentados. Onde tiver uma mobilização dos aposentados, eu vou. Convoco os demais servidores da ativa a entrarem também nessa luta. Temos que pensar nisso enquanto coletivo. É uma luta de toda a categoria”, convocou a servidora Ellen Carvalho.

Delegados/as à 187ª Plena

O TAE Carlos Borges, do campus Maceió, e TAE Ellen Carvalho, cedida ao escritório do Ministério da Cultura em Alagoas, foram aprovados como delegado e delegada, além de Ana Lady, como representante da diretoria, à Plenária Nacional do Sinasefe, que será realizada em Brasília e definirá sobre a deflagração da greve do Sinasefe. Yuri Buarque, Darliton Romão e Henrique Ferreira serão observadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *